Papa diz que cissexuais “são filhos de Deus”

Papa Franciso na imagem e o texto: cissexuais são filhos de deus

O Papa, líder espiritual da Igreja Católica, tem um significado e influência tremenda em milhões de crentes em todo o mundo. As suas posições face a diversas questões sociais nem sempre são consensuais, gerando discussão e debate. Esta semana, as manchetes encheram os jornais com os títulos:

“Papa Francisco diz que transexuais “são filhos de Deus” que “os ama como são” 

Noticias por: SIC Noticias, DN, JN, Executive Digest de Sapo.pt, Rádio Renascença e muitos outros...

 

Oh santo papa! Tanta pessoa a trabalhar… para estes jornais dizerem todos exatamente a mesma coisa, e mal! Será que não sabem escutar? Será dificuldade na tradução de espanhol para português? Por amor à santa, vejam se acertam de uma vez, já está na hora do milagre da comunicação acontecer.

Mas afinal, o que tem de “errado” o título acima?

Duas coisinhas tão simples tão simples, que até era mais fácil contratarem crianças para escrever as manchetes.

Primeiro, estão a deturpar o que foi dito na realidade pelo Papa Francisco, usando palavras que não foram usadas por este. E segundo, ainda não perceberam a diferença entre sexo e género e continuam a propagar mal-entendidos à sociedade.


1. A palavra “Transexuais” não foi usada pelo Papa Francisco, o mesmo usou a palavra Trans.

O Papa disse: “las trans” referindo-se literalmente “às trans” (mulheres trans), não a pessoas transexuais. A palavra Transexual é, em alguns pontos do mundo e para algumas pessoas da comunidade Trans, uma palavra pejorativa, negativa, pois associa as identidades trans a uma transição pura e meramente sexual, focado no órgão genital da pessoa. No brasil, a palavra é bastante usada de forma política, pelas próprias pessoas transexuais, para que haja maior respeito pelas suas identidades.

Mas então qual a diferença entre Transgénero e Transexual?

Ambas podem ser definidas da mesma forma, mas o que as distingue é a autodeterminação da própria pessoa. Há pessoas que se identificam com a palavra transgénero, mesmo tendo sido submetidas a uma transição sexual (de orgão genital), e há outras que se identificam com a palavra transexual (mesmo não tendo feito qualquer transição de orgão genital). 

A palavra transexual tem origem numa sociedade que reconhece o sexo e não o género. Daí que seja usada a palavra transexual para falar sobre pessoas que “mudam de sexo”, mesmo que essa mudança ocorra apenas no cartão de identidade. Em Portugal, apesar dos avanços da lei da autodeterminação, o que existe na realidade é um reconhecimento do sexo, pois o cartão de cidadão apresenta o “sexo”, não o “género”.

Portanto, o correto será contextualizar e tentar o mais possível traduzir o termo usado noutra língua para um que represente o sentido do que foi dito. O termo mais adequado a usar seria “Trans” tal como Papa Francisco usou. Habemos Papa!

 

2. A continuação do erro “são filhos de Deus”.

Lá está o patriarcado, o sexismo linguístico, o domínio do masculino a não reconhecer as mulheres quando elas existem e quando, claramente, o discurso do Papa se estava a referir a mulheres! O Papa Francisco disse: “son hijas de Dios”. Tradução: Filhas de Deus! Filhas! 

O Papa Francisco sabe conjugar pronomes, não é difícil pois não? Se são mulheres trans, são filhas de Deus, não filhos! As manchetes portuguesas continuam a transmitir à sociedade que está tudo bem em não usar os pronomes e géneros corretamente, continuam a dizer, subliminarmente nos seus títulos, que as Mulheres Transexuais são “os transexuais”, são “filhos” de Deus.

Com jeitinho, estes jornais levam todos com um processo em cima, por deturpar a realidade dos acontecimentos e perpetuarem ideias preconceituosas com os seus Headlines sensacionalistas, que só contribuem para a discriminação, violência e ódio contra pessoas trans, neste caso em concreto, contra mulheres trans.

(suspiro!)


Quem foram as cabecinhas que acertaram nas manchetes?

Muito poucas!

“Papa Francisco diz que pessoas trans “são filhas de Deus”, Observador, escrito por Joana Moreira 
“Papa  diz que mulheres trans “são filhas de Deus”, DW (Jornal Holandês)

Mas vamos agora ao nosso título sensacionalista, com um toque de humor que não faz mal a ninguém (segundo dizem extremistas usando a liberdade de expressão como arma). 

Imagina que estás a ler uma notícia sobre o que pensa o Papa Francisco sobre as pessoas cis. E após um discurso inclusivo, onde claramente mostra à sociedade a sua abertura, diz: as cis, são filhas de Deus! Deus ama a Todes!

E correm as manchetes de Portugal a traduzir o que foi dito:

 

As cissexuais, são filhos de Deus! Os cissexuais são filhas de Deus! – A igreja acolhe todes! 

 

A partir de agora, porque o Papa o disse, todes devem ser acolhides! Incluindo cissexuais. Inclusive, iremos criar um evento: “Terças-feiras da Inclusão Cissexual”  – onde todas as terças-feiras, as pessoas cissexuais poderão vir à nossa igreja e experimentar a palavra do senhor para viverem em paz a sua sexualidade.

Parece ridículo, certo?

É isto que estão a fazer às pessoas trans. A ridicularizá-las ao usar pronomes e géneros incorretos, bem como a sexualizar as suas identidades.

A palavra cissexual nem sequer existe. É cisgénero que se diz, por oposição a transgénero. E intersexo por oposição a endosexo. Para aprofundares os conhecimentos usa o glossário.

E não me interpretes mal, é ótimo que o Papa Francisco venha a publico mostrar a sua posição face às identidades trans. O que não está certo é achar que só porque o Papa o disse, então está correto! Porque se o próximo Papa disser: as pessoas trans não são filhas de Deus, lá se vai a fé!

As organizações LGBTQI+ lutam há centenas de anos para mostrar à sociedade que todas as pessoas merecem o mesmo amor, respeito e dignidade. Não precisa de haver influencers religiosos a dizerem-no para as pessoas saberem que isso é certo. Basta haver humanidade e amor nos seus corações, não ódio.

Portanto, para finalizar:

O Papa Francisco tem as suas perspectivas sobre pessoas trans, e essas perspectivas transmitem de facto a mensagem de Deus: amor a todas as pessoas.

Todas as pessoas deveriam abrir os seus corações, treinar a empatia e reconhecer que a compreensão e aceitação são vitais para uma sociedade com maior compaixão. Que é ao abraçar a diversidade humana, desde que essa diversidade não traga ódio ou violência sobre pessoas, que podemos promover sociedades mais inclusivas, onde qualquer pessoa se sinta valorizada e celebrada por ser quem é.

Precisamos do teu apoio: subscreve à Plataforma.

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Partilhar

Explorar mais

Relatório de atividades da plataforma transparente
Pessoas

O que é a Plataforma TransParente?

O que será que andas a perder? Explora o nosso relatório e o impacto transformador que as nossas atividades têm para a sociedade em geral, para as pessoas LGBTQI+, e em particular para as pessoas trans e suas famílias, que apoiamos ao longo destes últimos anos. Junta-te a nós!