Sabias que uma organização Pink Washer, nunca será Inclusion Rider?

Uma imagem com dois astronautas no espaço, cheio de estrelas. Texto: Sabias que uma organização pink washer nunca será Inclusion Rider?

O chamado mês do orgulho LGBTQI+ já passou. No mês de junho, as empresas e outras organizações fazem de tudo para ganhar visibilidade e seguidores, enquanto as pessoas que nelas trabalham relatam a contínua existência de micro-agressões, insatisfação e isolamento no trabalho.

Será que a empresa ou organização onde trabalhas é uma Pink Washer? Continua a ler e descobre como podes mudar esta realidade.

Neste artigo vais saber mais sobre:

 

 

O que é uma organização Pink Washer?

Antes de explicarmos o que se trata ser “pink washer”, tenta pensar se a tua empresa adotou alguns dos seguintes passos abaixo:

  1. Colorir o logo com as cores do arco-íris, mais conhecida como “rainbow pride flag”, ou bandeira do orgulho LGBTQI+;
  2. Criar um produto com as cores da bandeira do orgulho LGBTQI+;
  3. Formar um ERG, employee resource group, mais conhecido como Núcleo de Diversidade e Inclusão, Grupo Pride, Núcleo Queer ou outros, constituído por pessoas trabalhadoras da organização que advogam pelos direitos de pessoas LGBTQI+ ou que promovem a consciencialização da temática na organização;
  4. Adotar uma linguagem inclusiva, neutra ou não binária (em especial, colocando o “e” no fim das palavras;
  5. Erguer a bandeira LGBTQI+ no seu escritório (publicamente ou privadamente).

Se sabes que adotou algum dos passos acima mencionados, e apenas o fez em junho, não se preocupando com quaisquer outras ações ou medidas durante todo o ano, então a tua organização poderá muito bem ser acusada de ser uma Pink Washer.

Uma organização Pink Washer é uma organização que se aproveita deliberadamente do movimento de libertação da diversidade sexual e de género para fins políticos, que em pouco ajudam à promoção do respeito e inclusão dessa diversidade. São atos dados com o propósito, ainda que bem-intencionado, de mostrar que existe uma cultura de aceitação, respeito e diversidade relativa às questões da orientação sexual, identidade de género, expressão de género e características sexuais.

A verdade, infelizmente, é que a maior parte desses atos não passam mesmo de intenções de mostrar às pessoas que seguem ou compram na marca, que a organização é aliada da causa, quando na prática não adota quaisquer medidas para tal.

 

De onde vem o termo Pink Washer?

O termo Pink Washer é derivado do termo Pinkwashing. Pinkwashing é um termo associado a um ato, enquanto Pink Washer é associado a alguém ou alguma coisa, neste caso, a empresas e organizações.

O termo Pinkwashing surgiu pela crítica a certas organizações que utilizavam uma fita cor-de-rosa em produtos ou serviços como forma de mostrar o apoio a instituições de caridade para o cancro da mama, enquanto na realidade fabricavam e vendiam produtos cancerígenos.

Atualmente, o termo Pinkwashing foi apropriado pela cultura queer para referir-se também a situações em que empresas e organizações, usam deliberadamente os seus logos, marcas, cores, slogans e palavras de ordem para se mostrarem, socialmente, aliadas ou amigas da causa LGBTQI+, quando, na verdade, não possuem quaisquer políticas ou medidas nas suas estruturas ou culturas organizativas.

 

Porque é perigoso ser-se Pink Washer?

Bem, em bom português, costuma-se dizer que “mais depressa se apanha uma pessoa mentirosa do que uma pessoa coxa.” O ditado não podia ser mais verdade. A verdade vem sempre à tona. E pior do que se fazer passar uma imagem que não corresponde à realidade, é perder a confiança e credibilidade de clientes e pessoas trabalhadoras.

As pessoas LGBTQI+ que trabalham na tua organização, que seguem ou consomem produtos ou serviços da tua marca, não o fazem porque criaste um logo às cores, um saco pride, ou um grupo queer que nem sequer respeita a proteção de dados. As pessoas trabalhadoras fazem-no, normalmente, porque precisam do trabalho e não podem dar-se ao luxo de sair, ou, mais raramente, porque se sentem bem a trabalhar na empresa ou organização, sentindo-se aceites por quem realmente são, podendo simplesmente ser e existir, sem preconceitos, sem medos, sem represálias, sem despedimentos, sem ameaças. Por outro lado, pessoas seguidoras ou consumidoras, fazem-no porque precisam do serviço/produto ou porque, ingenuamente, acreditam que a organização é realmente aliada da causa LGBTQI+.

Ora, mascarar algo que não se é, enganar, usar deliberadamente movimentos sociais e políticos para alcançar notoriedade ou reconhecimento social, doar enormes quantias monetárias para associações LGBTQI+ sem haver envolvimento da organização na causa, demonstra uma grande falta de responsabilidade social, bem como uma grande falta de consciência dos problemas reais enfrentados pelas pessoas LGBTQI+. E isso pode ser muito perigoso, por dois motivos:

  • Tornas-te cúmplice na opressão que pessoas queer ou LGBTQI+ sofrem;
  • Continuas a reforçar, indiretamente, sistemas de discriminação e violência cisheteronormativos.
 

Mas isto não interessa para as organizações que não se importam.  A essas, o que lhes importa é o retorno sobre o investimento. E é aqui que a maioria mais se engana. Acham que o pinkwashing é uma forma de parecer ser uma Inclusion Rider Organization, que é o mesmo que dizer, uma organização líder em inclusão, e que isso lhe vai trazer imenso retorno sob o seu investimento.  Balelas!

 

Ser Pink Washer pode afetar negativamente o ROI da empresa

O retorno sobre o investimento obtém-se não só financeiramente como socialmente. Mas para tal é necessário um plano de ação concreto, com medidas estruturais e culturais que o permitam obter a longo prazo.

Os perigos de ser uma organização Pink Washer refletem-se na sociedade global, pois contribuem para perpetuar a discriminação, violência e exclusão laboral e social, uma vez que carecem de medidas práticas concretas que potenciam a inclusão e a consciencialização nestas temáticas.

Por isso, o Pinkwashing contribui, direta ou indiretamente para:

  • perda de talento de alta qualidade;
  • perda de potencial criativo;
  • perda de produtividade (especialmente de equipas onde a diversidade e o respeito por essa mesma diversidade é inexistente ou mínimo);
  • maior custo para área social e da saúde em termos globais;
  • menores receitas fiscais para o Estado.
 

Um estudo antigo realizado pelo Banco Mundial revela que o custo do desrespeito pela comunidade LGBTQI+ é de cerca de 32 bilhões de dólares por ano (equivalente à economia do tamanho da Índia).

Se as empresas e organizações querem realmente ser mais produtivas, eficientes, sustentáveis e felizes, as pessoas LGBTQI+ que nelas trabalham não podem continuar a sentir-se vulneráveis, sub-representadas e incapazes de atingir o seu potencial produtivo.  Em especial, a inclusão de pessoas trans, não binárias, de género diverso, ou de qualquer pessoa que pela sua expressão seja considerada “transgressora” da norma social tem de ganhar lugar na agenda.

A questão que se coloca é:  deve acabar-se com aqueles atos mencionados acima e que categorizamos como sendo pinkwashing? Não. Eles podem, de facto, representar atos positivos em direção a um maior respeito e inclusão da diversidade sexual e de género. Mas tem de existir um contexto, um plano, uma estratégia, medidas concretas e políticas organizativas alinhadas e consistentes. E a solução passa por transformar a tua organização numa verdadeira Inclusion Rider.

 

O que é ser Inclusion Rider?

Se a visibilidade LGBTQI+ nos meios de comunicação social trouxe algo de positivo foi a adoção de práticas mais inclusivas, como o uso de pronomes em assinaturas de email ou apresentações, o uso de uma linguagem sensível a géneros além dos binários, bem como o aumento da procura por ações educativas e formativas para uma verdadeira educação inclusiva. As empresas e organizações perceberam que, ao atrair mão-de-obra diversificada têm muito mais vantagens e benefícios do que não fazê-lo.

O termo Inclusion Rider teve a sua origem na área do entretenimento, supostamente cunhado por Stacy Smith, através da Annenberg Inclusion Initiative.  No entanto, é no cinema que o termo ganhou mais destaque, onde algumas “estrelas de Hollywood” começaram a forçar as produções a incluir cláusulas nos contratos que sejam inclusivas da diversidade de género e diversidade racial nas suas produções.

Ora, fazendo uma apropriação cultural do termo, ele poderá muito bem ser aplicado a qualquer empresa e organização, seja qual for o setor ou âmbito de atuação. No que interessa à TransParente, que almeja uma visão de um mundo mais inclusivo da diversidade sexual e de género, qualquer empresa ou organização deveria ter políticas, medidas e ações concretas específicas que sejam inclusivas da diversidade de género e da diversidade racial.

Em género de conclusão, uma organização que seja Inclusion Rider é uma organização que procura garantir práticas equitativas que respeitem e incluam a diversidade, adotando uma perspetiva interseccional, transformando a sua cultura e estruturas.

 

Quais as vantagens de ser Inclusion Rider?

Ser considerada uma organização Inclusion Rider, isto é, uma organização que advoga pela inclusão de políticas, medidas e ações concretas que promovem a inclusão da diversidade, seja ela qual for, tendo sempre em atenção as interseccionalidades existentes, é meio caminho andado para a liderança. Uma organização que seja inclusiva não só da diversidade racial, cultural, étnica, religiosa e inclusiva de pessoas com deficiência, bem como inclusiva da diversidade sexual e de género, é uma organização que, sem dúvida, será considerada como:

  • das melhores para se trabalhar;
  • das mais produtivas;
  • das mais criativas;
  • das mais saudáveis;
  • com maior capacidade de ultrapassar crises;
  • com maior capacidade de inovação;
  • líder em diversidade e inclusão.
 

Se és CEO, responsável de gestão, liderança, recursos humanos ou outra área relacionada com a diversidade e inclusão, e percebes as consequências do pinkwashing e os benefícios de ser Inclusion Rider, porque não exigir à tua organização que comece a adotar medidas que sejam mais inclusivas dessa diversidade?

Não sabes por onde começar ou que tipo de exigências fazer?

Fica com atenção ao nosso próximo post sobre os 5 pequenos próximos passos para transformar a tua organização numa verdadeira Inclusion Rider.

 

Partilhar

Explorar mais

titulo: marchas queer já em maio; imagem com várias pessoas celebrando o orgulho lgbtqi.
Entidades

Marchas Queer já em Maio!

Maio já chegou, e com ele as marchas Queer de Portugal e de todo o mundo. Se és uma pessoa LGBTQIAP+ ou aliada da causa,

texto: dia da visibilidade lésbicas; imagem: mulheres
Exclusivo

Em Abril, lésbicas mil.

"Camiona, Fufa, Lebre..."
"Só és assim porque nunca nenhum homem te deu prazer a sério"...

Estas palavras ou mitos podem ser ofensivos, especialmente em contexto de trabalho.

Será que as pessoas colaboradoras da tua entidade já proferiram algumas destas atrocidades? Será que algumas pessoas lésbicas já as ouviram no seu local de trabalho?

Neste artigo exclusivo vais ficar a perceber:

O que é uma pessoa lésbica?
Palavras da gíria lésbica que podem ser ofensivas
O que dizem as evidências sobre discriminação lésbica?
Porque celebramos o Dia da Visibilidade Lésbica?
Porque toda a sociedade ganha
7 ações que a tua entidade deve fazer para ajudar a descontruir mitos e estereótipos sobre lésbicas.

Conteúdo exclusivo para subscrições.

This content is for Entidade Basic, Entidade Parceira, Entidade Parceira Premium, e Entidade Parceira Certificada members only.
Login